Mais devassos que a Devassa

Se você não se desligou do mundo nas últimas semanas, já foi apresentado de alguma maneira ao novo produto do Grupo Schincariol: a cerveja Devassa. Seja pelo fato de Paris Hilton ter vindo ao Brasil durante o Carnaval para promover o produtor e ter ficado levemente alterada pelo consumo de álcool¹ ou pelo fato do ‘apimentado’ comercial da Devassa já ter sido exibido na tv, absurdamente comentado e já tirado do ar².

O Conar (Conselho de Autorregulamentação Publicitária), órgão responsável pela censura, nasceu em 1980. Em 2001, fomos apresentados à Dona Carminha.

Em 2002, a modelo Pietra Ferrari alavancou sua carreira ao ser ‘controlada’ por dois galãs globais sedentos por cerveja.

Ambas as campanhas não foram censuradas. Pelo contrário, o comercial da Skol ainda ganhou uma continuação – apelando mais para o humor. Essa tendência ao trash e ao apelativo ganhou os meios de comunicação em geral desde os anos 90 e durou até pouco tempo atrás, quando o conservadorismo e uma falsa tendência ao bom-senso começou a tomar conta da mídia.

Programas policiais mais explícitos foram sendo suprimidos aos poucos e as cervejarias passaram a fisgar seus consumidores pelo futebol e pelo cenário de um barzinho (às vezes ainda cedendo, pois esses estabelecimentos de aparência incrivelmente amigável acabam empregando uma modelo como garçonete nas campanhas). Salvo raríssimas exceções. Como resultado, surgiram grandes peças em toda a América Latina. A Quilmes, da Argentina, se consagrou ao demonstrar a paixão pelo esporte de uma forma verdadeira e natural, algo que nunca vimos muito bem por esses cantos. (Calma, não feche o blog agora, falta só mais um parágrafo e já parei de falar dos hermanos!)

“A mulher não pode ser tratada como um produto”. Ana Paula Gonçalves, ouvidora da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, ao explicar por que o Conar foi acionado para censurar o comercial da cerveja Devassa estrelado por Paris Hilton, induzindo o país a acreditar que, em todos os outros anúncios de marcas concorrentes, as mulheres foram tratadas como mulheres. (Augusto Nunes, no blog da revista VEJA)

—-

¹ http://migre.me/nqiE
² http://www.youtube.com/watch?v=SUW_8T2Uo2M

Tags: , , , ,

2 Respostas to “Mais devassos que a Devassa”

  1. Felipe Martins Greiner Says:

    O que o Augusto Nunes, no blog da revista VEJA, falou faz todo o sentido. De certo todas aquelas gostosas foram tratadas como verdadeiras damas… E para quem não viu, o link do comercial está aí:

  2. Allison Says:

    Fato é que toda esta polêmica à volta do comercial da Devassa somente contribuiu com a divulgação da marca da cerveja. ! Aliás, foi uma boa jogada a PAris Hilton para divulgar a Devassa, muito oportuno. hahah
    E definitivamente, nos exemplos citados no post, as mulheres não foram tratadas da melhor forma…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: