Mini-resenhas #01

Coração Louco (Crazy Heart, 2009)

A culpa do sucesso do filme deve-se ao vencedor do Oscar de Melhor Ator, o veterano Jeff Bridges. Está impecável como Bad Blake, cantor decadente de country que agora vê seu antigo aprendiz (Colin Farrell) nas paradas enquanto faz shows em clubes e bares para alguns poucos fãs da mesma idade. Sua vida movida a álcool começa a tomar novo rumo quando conhece Jean Craddock (Maggie Gyllenhaal, a Rachel de The Dark Knight), uma jovem mãe e jornalista de uma das cidades pela qual sua fracassada turnê passa. Numa mistura curiosa de “O Lutador” (The Wresler, 2008) com “Johnny & June” (Walk The Line, 2005), o filme empolga pela história, pelo ambiente e pelas músicas, que retomam o pacífico e agradável estilo country. Maggie fica atrás na atuação, mas não compromete. 7.5/10

Criação (Creation, 2009)

Um dos seres humanos mais polêmicos de todos os tempos enfim ganha um filme: Charles Darwin (Paul Bettany, brilhante e idêntico ao biografado) está com seu clássico A Origem das Espécies pela metade, mas sua religiosa esposa (Jennifer Connelly, também casada com Bettany na vida real) sofre à medida que o livro avança e sua filha mais velha, Annie (Martha West), se empolga com os ideais contestadores do pai. O foco principal é justamente esse, deixando de lado o Darwin cientista e abordando pouco suas aventuras e seus estudos, fazendo com que a película perca ritmo depois de pouco tempo. Fotografia impecável. Se serve de consolo, o trailer é absurdamente bem editado e melhor do que o resultado final. 6,5/10

Os Homens Que Encaravam Cabras (The Men Who Stare At Goats, 2009)

Bizarro e divertido, mas com cenas arrastadas e uma leve falta de ritmo que vai até sua conclusão. Elenco masculino respeitável e história atrativa. Nela, o jornalista Bob Wilton (Ewan McGregor) vê no veterano Lyn Cassady (George Clooney, irreconhecível fisicamente) uma esperança de resgatar sua carreira e sua vida. Cassady é um dos poucos soldados restantes treinados em bases secretas a fim de desenvolver habilidades psíquicas para utilizá-las em guerra. Entre flashbacks e o tempo real, a história da unidade é contada. Outro filme com excelente trailer, mas resultado abaixo do esperado. 7/10

A Morte Passou Por Perto (Killer’s Kiss, 1965)

Segundo filme de Stanley Kubrick, que o considera como o inicial. O primeiro, o drama de guerra Fear And Desire, é totalmente ignorado pelo diretor, que sumiu com quase todas as cópias do longa. Agora, mais maduro, Kubrick começa a mostrar sua habilidade fenomenal com a câmera de mão nos presenteando com takes incríveis. Na história, um boxeador apaixona-se por uma dançarina, que trabalha para um criminoso que é apaixonado pela moça. Apesar de levar o nome do diretor de futuras obras-primas como O Iluminado e Laranja Mecânica, nesse filme é natural rir das cenas de luta extremamente amadoras e da pobreza de orçamento e história. 4,5/10

Julie & Julia (Julie & Julia, 2009)

O filme acompanha paralelamente a ascensão de Julia Child (Meryl Streep, muito bem, mas nada mágico) como cozinheira profissional e Julie Powell (Amy Adams), que detesta sua vida e seu emprego e vê nos ensinamentos culinários de Julia a única salvação para a tristeza. Possui boas atuações e ótimos momentos, mas peca pelo….ritmo, claro. A duração também é um pouco exagerada. Interpretações acima da media, mas nada oscarizável. Dá vontade de sair do quarto e ir direto cozinhar, mesmo não sabendo. 8/10

Tags: , , , , , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: